domingo, 11 de outubro de 2009

você não escolhe o que escuta

Um presidiário não escolhe o que vai comer, um operário não escolhe em que horário vai trabalhar e você não escolhe a música que você escuta.

Quando foi a última vez que você descobriu uma banda nova sem ser por meio de rádio? Sem ser pelos seus amigos igualmente bitolados e que escutam o que o cara da rádio põe para vocês escutarem? Quando foi a última vez que você descobriu um som legal que não toca na rádio?

Bem, quando eu digo que você não escolhe vem um fulano e diz, é claro que eu escolho eu ligo pra lá todos os dias e peço uma música. Claro, você pede uma música decente e 10 pessoas pedem uma música chinfrim. Os programas "disques" te dão opções mediocres de escolha, eu nunca, por exemplo, esperaria ser atendido numa rádio convencional ao pedir para tocar Ratos de Porão, e por quê?

Pare, pare, pare, eu já consegui ouvir seus pensamentos gritando: "e que rádio tocaria Ratos de Porão?" ou "mas que merda de banda é essa?" ou ainda "e essa merda presta!", acertei não foi? Bem, ai eu pergunto: você já parou e escutou a banda? Não né? E é justamente esse o ponto que eu queria chegar, o preconceito (e quando eu falo de proconceito não estou falando da RPD, mas de todas as bandas independentes de uma forma geral).
Do dicionário priberam:
preconceito (pre- + conceito) s. m.
1. Ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial.
2. Opinião desfavorável que não é baseada em dados objetivos. = intolerância
3. Estado de abusão, de cegueira moral.
4. Superstição.

"Não se deve julgar um livro pela capa". Todos já escutaram essa frase, mas parece que poucos entenderam o significado dela. Quando se diz que que não se deve julgar o livro pela capa o que se quer passar é que não se deve tirar impressões precipitadas a partir de um primeiro contato, se você é adepto do "a primeira impressão é a que fica", me desculpe dizer amigo(a), mas você está fudido!

Stephen Hawking mandando um oi para você

O engraçado é que as pessoas não tem esse preconceito se a banda toca na rádio. Você acha ridiculo uma banda com o nome Zumbis do Espaço, mas acha superbacana as bandas com nomes Marreta You Planeta ou Calcinha Preta, por exemplo, ou ainda acha infame existir uma banda com o nome de Leptospirose, mas acha lindo o nome banda Brucelose. Eis o ponto.

Muitas das bandas do circuito underground nacional falam muito mais que a grande maioria das músicas populares somadas diz, na sua maioria são mais sérias e politicas, não se preocupam com estética ou beleza -dai o motivo dos nomes-, para esse tipo de música o mais importante é a idéia. Claro na música o som também deve ser agradavel, mas de acordo com a letra.
...
Não me importa muito o som mas o que você vai falar
Uma mensagem positiva encaixa em Dó - Ré - Mí ou Fá
É melhor estar numa banda do que numa gangue ou se drogar
Não me importa muito o som mas o que você vai falar
Lá - Lá - Lá - Ré - Sol - Lá
trecho da Musica Lá Ré Sol do Mukeka di Rato

A maioria das melhores bandas não tocam em rádios, e como elas são encontradas? Em comentários, em referências de uma banda em sites na internet e mesmo explicitas nas próprias letras das músicas, não acredita? Dois exemplos rápidos:

WC - O grupo nasceu para ser apenas um projeto paralelo, acredito, e hoje tem proporções tão grandes (e até maiores) das bandas originais de seus integrantes, tais como o Mukeka Di Rato, o Teen Lovers e o Merda. Como rola isso? Como vocês encaram este fato?
Tonny Powzer - Com certeza, quando a banda surgiu a intenção era fazer um som escrachado e levado por diversão...
entrevista da banda os pedrero no site zona punk

Não pus a resposta inteira porque não interessava, mas observe a pergunta do WC, ele cita três bandas. Eu ja conhecia duas das três citadas, não a Teen Lovers, então procurei, escutei e conheci mais uma banda legal.

Um exemplo com bandas mais conhecidas, só para você ter uma idéia.
...
Paz, pa-pa-Paz, Planet Hemp
Paz, pa-pa-Paz, the Funk Fuckers
Paz, pa-pa-Paz, O Rappa
Paz, pa-pa-Paz, Black Alien
trecho final de Dezdasseis (Planet Hemp)

Eis ai quatro referências a bandas dentro de uma música, conhece alguma? Essa música é do album Usuário do Planet Hemp de 1995, O Rappa ja tinha lançado um album, mas nem de longe era tão conhecida como hoje. Escutei as bandas e curti o Funk Fuckers.

Pegou o espirito da coisa? Aqui o mais importante, nesse modo de encontrar bandas/músicas, é que VOCÊ VAI DECIDIR SE GOSTA OU NÃO da banda, não vai sofrer uma lavagem cerebral por meio das midias que te convencem que a música é boa.

Bjunda.

OBSERVAÇÕES FINAIS

Esse texto começou assim:
É chato ser tachado de inculto ou de ter mal gosto quando se responde a pergunta "que bandas você curte?" depois de um "que tipo de som vc escuta?", bem essa é a primeira coisa que geralmente ouço depois de um "aff" e antes de um "pesssoal vem ver as bandas que fulano gosta".

Penso, já faz tempo, que as pessoas estão engessadas em termo de gostos, algo como: o que a maioria escuta é que é o bom, o que a maioria faz é que é o certo, esse é o sentimento geral que tenho a respeito das pessoas quando se trata de música. Eu discordo dele.

Adelmatrash escuta: merda, mukeka di rato, discarga, ratos de porão, garotos podres, leptospirose e zumbis do espaço. Claro, tem mais, mas eu ia perder muito tempo escrevendo tudo. =)

3 comentários:

Anônimo disse...

curti o texto.
O bom é o que a gente acha que é bom, e não o que a maioria acha. até pq se fosse assim, existe mais de um milhão de moscas no mundo que comem cocô. Um milhão de moscas não podem estar erradas. Vamos comer?

Roberto Mya disse...

texto massa cara e teu blog tá ficando cada dia melhor e esse papo de musica q é jogada na cara e temos de comer isso forçado é pura verdade vejamos o novo "fenomeno" da musica brasileira a "superbanda" DEJAVU que com certeza esta bombamdo ai em afogados como aqui em tres carneiros puro jabá a banda parocinada pela grande rede record se apresentou no melhor do brasil ao sabado em geraldo brasil e no programa dominical tudo é possivel,pura lavagem cerebral mais graças temos a internet e amigos kabeças para descobrirmos coisas novas abraço e q essa modinha do dejavu morrra assim como chegou.

Bruno disse...

Massa Adelma, gostei do texto. Realmente temos engolido muita coisa pelas rádios e tvs. Mas acredito na revolução que a net tem possibilitado. Agora mais do que nunca temos o "controle nas nossas mãos" do que chega aos nossos olhos e ouvidos.
Abraço